Deus é Fiel

"Façamos da oração ensinada por Jesus,
não somente a do Pai nosso,
mas também a do Pão nosso,
a fim de que todos nossos
semelhantes possam ser
saciados".

14 comentários

Chamda e Vocação! Existe Diferença?

No cumprimento de Seu propósito, Deus sempre contou com homens e mulheres que se dispuseram a serem usados por Ele, no entanto, para isso, sempre foi necessário o critério da escolha e do chamado de Deus.
Um dos grandes privilégios do relacionamento entre Deus e o homem é sem dúvida o fato de ser chamado por Deus para a execução de um trabalho em prol do Seu Reino. Porém, existem condições para que esse ofício seja realizado de forma plena e perfeita, e além de ter a convicção da chamada, o que a recebe de Deus deve saber de fato que significa ser chamado por Deus.
Quando se fala em chamada, também se pensa em vocação, devido o fato de ambos se parecerem ao ponto até mesmo de se confundirem em seus significados, mas afinal, Chamada e Vocação, existe diferença ou não, se existe quais seriam?
Para responder essa questão passemos a analisar o significado dessas palavras, e assim poderemos iniciar uma explicação à luz da Palavra de Deus.
Vocação – Segundo o Dicionário Aurélio da Língua Português, Vocação é o ato de chamar...; Tendência ou inclinação para um estado, uma profissão etc...; Apelo ao sacerdócio ou à vida religiosa...; aptidão natural; talento; um médico de vocação.
Chamada – Segundo o Dicionário bíblico Vine (CPAD, 2002), o verbo chamar pode ter várias conotações, tais como: Kaleõ – chamar alguém, convidar, convocar; fazendo referência ao convite às pessoas a participarem das bênçãos da redenção (Rm 8.30; eiskaleõ – literalmente chamar para dentro...; metakaleõ – formando meta, implicando mudança..., chamar de um lugar para outro, convocar...; proskaleõ – formado de pros, “para”,... chamada divina em confiar aos homens a pregação do Evangelho ((At 13.2; 16.10).
Com essas definições resumidas já é possível ter uma idéia acerca do assunto, podendo notar que realmente há muitas semelhanças entre os significados da palavra, e que, deixando-as assim a compreensão do tema fica limitado, ou seja, quando alguém falar de vocação dentro desta perspectiva atribuirá à chamada, bem como quando falar de chamada atribuirá à vocação.
Após analisarmos o significado das palavras é indispensável que se analise à luz da Palavra de Deus, pois é dentro dessa realidade (chamada divina) que estamos abordando o assunto.
Observe que Vocação, além de significar em parte o ato de chamar, aponta também para a realidade de tendência, inclinação e talento, sendo assim, analisando dentro da realidade de vida é possível dizer que esta palavra aponta mais para este último significado, dentro do que estamos estudando. Por exemplo, há pessoas que têm vocação para advogados, médicos, e até mesmo no campo da oratória, mas isso não significa que são chamadas por Deus.
Deve-se observar que é verdade o fato de Deus chamar pessoas vocacionadas, e que partindo da vocação serão usadas pelo Espírito de Deus para resultar em benefício para o Reino e a glória de Deus.
A Vocação é um bem que Deus concede à pessoa e que a mesma possui a inclinação para tal, podendo escolher usá-la para o fim que desejar, sendo que Deus em um tempo cobrará essa dádiva.
Ainda sobre a Vocação, a pessoa pode dar indícios já na infância, por exemplo, uma criança pode dizer que deseja ser usada por Deus na Palavra, isso é fruto, provavelmente de uma vocação, aí vai depender dos pais e de quem as cerca para trabalhar nesse sentido, para que então isso possa se tronar uma realidade.
Tendo visto que Vocação é mais uma questão de tendência, talento e inclinação, passemos a analisar à luz da Bíblia o Chamado de alguém.
Se Vocação é pender para um lado, conforme visto acima, Chamado à luz do que expomos no início desse texto é o momento em que Deus chama a pessoa para se desprender a fim de que possa cumprir aquilo que o Senhor deseja.
Explicando de forma mais detalhada, quando analisamos cada explicação que está exposta acima sobre o significado da palavra Chamar, encontramos então o fato de Deus chamar pessoas de um estado atual para um novo estado, e que isso requer da pessoa algumas atitudes, tais como: disposição, desprendimento, coragem, decisão, etc.
Podemos citar um exemplo bíblico dessa realidade, o profeta Isaías, que até o capítulo 6 de seu livro está registrado um tempo em que ele cumpria seu ofício profético, mas que precisou receber de Deus uma chamada específica. Alguns detalhes são necessários serem abordados aqui, vejamos:
- Se Isaías era chamado e vocacionado, por que precisou receber uma nova chamada?
- Por que sabendo que Isaías já profetizava, Deus ainda precisava de alguém para enviar?
- Se Deus precisava de mais profetas chamados, além de Isaías, seria desnecessário chamá-lo, se ele já estava dentro do que Deus desejava!
Além dessas, outras perguntas poderiam ser elaboradas na intenção de entendermos que, o chamado de Deus a Isaías deixa claro que até aquele momento, o profeta, embora usado por Deus, era apenas vocacionado, mas ainda não chamado, pois para que isso ocorresse, ele precisou se desprender de algumas coisas que o impediam de cumprir integralmente o propósito de Deus.
Com isso encerro esse texto dizendo que é possível, a meu ver alguém cumprir um propósito de Deus apenas como vocacionado e não chamado, pois quando Deus chama alguém é para se desprender de tudo e assim usar sua Vocação de forma plena para o Reino de Deus.
Pense comigo e poste sua opinião na opção comentários.
0 comentários

A Casa de Deus - Pastorais

Texto Referente: 3.2,3
O escritor já havia falado sobre a fidelidade de Cristo, como Sumo-Sacerdote (2.17), mas retoma o assunto de forma abrangente nesse texto.
O escritor utiliza uma passagem do Antigo Testamento para exemplificar o que queria dizer, usando o exemplo de Moisés (Nm 12.7), este recebeu testemunho do próprio Deus acerca de sua fidelidade diante da responsabilidade de guiar Israel. A diferença exposta pelo escritor fica clara quando apresenta a seguinte verdade: não há ênfase só na fidelidade, mas em quem os constituiu; além de que Moisés é tido como servo fiel e Cristo é o Filho fiel.
A comparação feita pelo escritor não é entre Jesus e os anjos, nem Adão e Abraão, mas com Moisés, pois a voz desse profeta era como a voz de Deus entre o povo hebreu, portanto, quando se falava desse homem todos paravam para dar ouvidos. O que para os judeus essa comparação é um “absurdo”, mas a superioridade de Cristo está em sua fonte e essência.

1) A Casa de Deus
A palavra oikos, traduzida como casa, não se aplica apenas a uma construção e à sua mobília, mas também à família que nela reside, incluindo os que trabalham nela.
O texto do AT usado pelo escritor faz referência a Israel, já no NT à Igreja, incluindo todos os cristãos, pois o muro que havia entre judeus e gentios foi derrubado (Ef 2.14). Diante de Deus a casa é uma só, mas do ponto de vista administrativo, são duas: a dispensação do AT, por meio de Moisés, e a do NT, mediante Cristo.
O escritor dá a idéia de uma casa edificada, mas isso para exemplificar a edificação espiritual, que frequentemente é enfatizado no NT (Hb 2.19), sendo assim, os homens tornam-se, templos vivos, onde podem desfrutar de plena comunhão com Deus. Casa aqui faz referência à família, que de fato fazemos parte da mesma família com Cristo (2.11-13).

2) Moisés e Jesus
A fidelidade de Moisés era grande, por isso foi aprovado. Mas a fidelidade de Cristo é maior, em pelo menos três questões: 1) a fidelidade de Cristo ultrapassa a de todos, inclusive a de Moisés (1.9); 2) Cristo foi fiel a um ofício mais elevado, na fundação do edifício, e Moisés foi apenas um servo no edifício; 3) na qualidade de Filho de Deus, que compartilhou sua natureza com seus irmãos, permitindo que esse edifício possua as qualidades apropriadas, que envolve uma missão e uma capacidade muito acima do que Moisés seria capaz.
Diante disso podemos observar que o propósito do escritor é de mostrar a superioridade de Cristo em relação a Moisés, e ainda podemos apontar mais três argumentos por ele utilizados:
1) A superioridade do construtor sobre a construção – Moisés foi fiel na casa, ao passo que Jesus é fiel sobre a casa.
Isso fica claro à luz do versículo 4, que diz que quem edificou a casa foi Deus, apontando para o Verbo eterno, por quem todas as coisas foram feitas. Sendo, assim Cristo como Filho, não é apenas Soberano, mas o Fundador e Construtor da Casa.
2) O Senhor é maior que o servo – isso fica claro à luz dos versos 5 e 6, quando o escritor contrasta Moisés (como servo) e Cristo (como filho).
É importante destacar que não era tarefa fácil fazer essa comparação entre Moisés e Cristo, colocando-o acima do primeiro, pois o povo judeu tinha em Moisés um referencial máximo, até porque Deus havia dado testemunho de sua importância (Nm 12.7,8).mas o escritor inspirado pelo Espírito Santo o faz de forma sábia e maravilhosa, tomando as palavras casa, servo e Filho.
Moisés é um therephon – servo livre – aquele que serve de forma voluntária na casa de seu Senhor; e não um doulos – escravo sem vontade própria – sendo assim Moisés é colocado como alguém que entende perfeitamente seu ofício e sua posição diante de Deus.
Esse argumento pode ficar assim definido: Moisés foi servo na casa de servos, sendo parte da casa; Cristo, por sua vez, é Filho na casa de filhos, sendo Autor e Fundador da casa, onde Ele mesmo reina.
3) A realização é maior e mais importante que o símbolo – e Moisés serviu de preparo e símbolo para algo que estava por vir (3.5b).

Pr. Elias Torralbo
Ministério Incendiando Vidas
0 comentários

Passado Presente e Futuro: Fases da Visa Cristã

“Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram de Sião, éramos como os que estão sonhando. Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cânticos. Então se dizia entre as nações: Grandes coisas fez o Senhor por eles. Sim, grandes coisas fez o Senhor por nós, e por isso estamos alegres. Faze regressar os nossos cativos,Senhor, como as correntes no sul. Os que semeiam em lágrimas, com cânticos de júbilo segarão. Aquele que sai chorando, levando a semente para semear, voltará com cânticos de júbilo, trazendo consigo os seus molhos”. (Salmos 126)

          A vida cristã é sem dúvida uma caminhada fascinante, devido sua importância e também as experiências que são proporcionadas pela vida com Cristo, estas experiências ocorrem dentro dos seguimentos humanos, tais como relacionamento e sentimentos, provocando assim mudanças significativas no homem em todos os sentidos.

        Assim como a vida é dividida por fases e estas produzem aprendizado para o homem, a vida cristã também pode ser dividida por fases que cooperam para o crescimento e amadurecimento daqueles que escolheram viver com Cristo. No entanto, é importante destacar que essas fases devem ser divididas de forma que não haja má interpretação, por isso vejamos duas divisões dessas fases:

        O primeiro aspecto importante da fase de uma vida cristã é aquela que podemos chamá-la de experiência salvífica, ou seja, é a divisão da fase gerada por Deus em Cristo na salvação do homem (II Coríntios 5.17). O poder de Cristo proporciona ao homem a possibilidade de uma nova visão em três tempos, conforme apontado no texto base de leitura dessa reflexão.

        Dentro deste primeiro aspecto pode-se destacar que o primeiro tempo apresentado é em relação ao passado daquele que está em Cristo, que agora tem o seu passado apagado e também as práticas antigas deixam de fazer parte de sua vida. Além de experimentar a certeza de que o acusador não pode mais acusá-lo, conforme Paulo afirma: “Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito”. (Romanos 8.1)

        No tempo presente Cristo garante qualidade de vida, pois o pecado compromete a conduta do homem, levando-o por caminhos que não foram determinados originalmente por Deus, ou seja, o homem não foi formado para trilhar esses caminhos, e quando o mesmo opta por experimentá-los ocorrem as grandes e terríveis conseqüências e tragédias.

        Diante disso deve-se ressaltar que, o fato de estar vivo não significa viver, pois que viver é muito mais do que simplesmente estar vivo. Adiantando processo, destaco que o propósito de Deus para o homem não apenas que o mesmo esteja vivo (respire), mas que o mesmo viva intensamente a qualidade de vida que Ele tem para cada ser humano.

        A Bíblia nos informa que o ladrão veio para matar, roubar e destruir, mas Cristo veio dar vida em abundância, que encerra exatamente a idéia da qualidade da vida de Deus, o que também é promessa para os que crêem em Jesus, pois herdarão a vida eterna, que não significa apenas viver eternamente, mas principalmente desfrutar da qualidade da vida de Deus por toda a eternidade.

        Essa última abordagem aponta inicialmente para o tempo futuro dos salvos, pois que os mesmo possuem a esperança de que muito em breve poderão desfrutar da presença permanente e gloriosa de Jesus Cristo por todo o sempre, além de vê-lo face a face.

        O segundo aspecto da fase da vida cristã, é a prática desta vida em si, ou seja, o dia a dia de um cristão, frente ás adversidades, dificuldades, oposições e tentações, o que contribui de forma direta para a forma de reagir diante das adversidades que eventualmente surgem na caminhada cristã.

        Quanto ao passado, a pessoa salva em Cristo possui a experiência de que Deus pode livrá-lo, pois que o passado o faz pensar e meditar em tudo o que Deus já realizou em seu favor. A lembrança do passado neste aspecto é importante e indispensável, pois que fortalece o crente frente as dificuldades, temos vários exemplos disso, no entanto destaco aqui apenas o de Jeremias clamando a Deus em favor do presente do Seu povo, pois que o quadro presente era de desolação, então o profeta faz menção de um passado glorioso e pede que Deus fizesse como antigamente (Lm 5.21).

        No que diz respeito ao presente o cristão deve se atentar à forma que reage diante da situação vivenciada, tanto em situações positivas quanto negativas, pois que em situações positivas ele deve permanecer fiel a Deus e Seus princípios, e em situações negativas ele deve se comportar de forma confiante, baseado no que a Bíblia diz e também suas experiências passadas com Deus. Isso significa que o cristão deve procurar reagir da forma correta diante das adversidades que surgem durante a trajetória cristã nesta terra.

       Finalmente o cristão deve estar atento ao que a Palavra de Deus afirma, as experiências vividas devem estar vivas dentro dele, para que desta forma possa enfrentar a realidade do presente de tal forma a agradar a Deus e também para permanecer aceso dentro do coração a convicção que o Deus que operou e cuidou no passado é o mesmo que permanece no presente e que garante um futuro melhor, de grandes conquistas.

        Que Deus nos ajude a manter viva em nossa mente tudo aquilo que já vivemos com Deus, para enfrentarmos a realidade do presente e nunca perdermos a certeza de um futuro melhor, que o Senhor Deus tem para cada um de nós.

Com Amor aos Perdidos
Pr. Elias Torralbo
Ministério Incendiando Vidas
0 comentários

Os Inteligentes Crescem e Avançam com as Oposições

“Quando, pois, o Senhor Jesus soube que os fariseus tinham ouvido dizer que ele, Jesus, fazia e batizava mais discípulos do que João (ainda que Jesus mesmo não batizava, mas os seus discípulos) deixou a Judéia, e foi para a Galiléia. E era-lhe necessário passar por Samaria”. (Jô 4.1-4)
“E bem sei que, quando for visitar-vos, chegarei na plenitude da bênção de Cristo”. (Rm 15.29)



       Jesus é o fundamento de nossa fé cristã, Paulo por sua vez é chamado de o apóstolo dos gentios, logo, entendemos que os dois textos citados acima são partes da história de dois homens que exercem de forma direta influência naquilo que cremos e vivemos.

       Diante dessa verdade, devemos olhar para o exemplo deles se é que queremos viver a plenitude da bênção do Evangelho de Cristo Jesus.

      Cada tempo é marcado por buscas e anseios por parte das pessoas, nosso tempo, por exemplo, é marcado por uma geração que possui seus desejos e anseios, e os mesmos são frutos na maioria dos casos do sistema em que vivemos, ou seja, aquilo que marca e rege nosso tempo. No entanto, a igreja do Senhor, que deve ser diferente em todos os aspectos, inclusive no agir, pensar e desejar, ela deve então aprender com o seu Senhor e nesse aspecto, também com o apóstolo Paulo.

      Dentre muitas coisas que a igreja deve buscar de forma perseverante e fervorosa, destaco a sabedoria, pois por ela se pode ver e viver de forma que se experimente a plenitude de Deus, de forma que e as circunstâncias externas jamais poderão comprometer essa vida plena de Deus.

      No texto bíblico de João 4, vemos um momento importante do ministério terreno de Jesus, e não somente isso, pois encontramos um exemplo de como devemos enfrentar e reagir às oposições que surgem enquanto cumprimos o propósito de Deus como igreja.

      Os fariseus constantemente se opunham ao ministério de Jesus, o que não foi diferente nesse caso, pois o escritor aponta que os mesmos, apoiados numa mentira (de que Jesus formava e batizava mais discípulos que João) se opuseram a Jesus, diante disso observamos que Jesus por causa disso deixa a região da Judéia e se dirigiu à Galiléia, e lhe era necessário passar por Samaria, que ao passar por uma cidade dessa região chamada Sicar, onde e quando ocorreu a conversão de quase toda a cidade, por intermédio do testemunho vivo de uma mulher que foi transformada pelo poder do Senhor Jesus.

       Diante da oposição dos fariseus, Jesus escolheu avançar, continuando assim a cumprir a missão de alcançar os necessitados, resultando assim na transformação de quase uma cidade inteira. Diante de situações semelhantes de oposições muitos reagem ao contrário de Jesus, retrocedendo, abandonando o ministério e até mesmo a própria fé, porém, fica o exemplo de nosso Mestre, de como reagirmos diante de oposições e adversidades.

       Paulo afirma que Cristo é a Cabeça da igreja e que esta por sua vez é Seu corpo (Cl 1.18), ainda sobre o assunto o apóstolo dos gentios recomenda que a igreja, tenha a mente de Cristo, ou seja, que a mesma deve pensar, agir, reagir e se comportar como Cristo, inclusive na forma como lida e reage diante das oposições daqueles que se posicionam como seus adversários.

      Sem dúvida alguma, Cristo é o maior exemplo a ser seguido e que os cristãos devem fazê-lo, e quanto a isso, Paulo enfatizou bem quando recomendou que os crentes, devem imitá-lo, assim como ele imitava a Cristo e diante dos fatos torna-se claro que Paulo imitava a Cristo, incluindo a forma como enfrentava as oposições e adversidades.

      Leia os textos: “Pelo que também muitas vezes tenho sido impedido de ir ter convosco. Mas, agora, que não tenho mais demora nestes sítios, e tendo já há muitos anos grande desejo de ir ter convosco...” (Rm 15.22,23)

      No texto citado acima, Paulo está expressando pelo menos duas verdades: ele muito desejava estar entre aqueles irmãos e que enfrentava muitas dificuldades para faze-lo. Com isso, surge a seguinte questão: Qual ou quais dificuldades poderiam impedir Paulo de chegar até os irmãos de Roma?

      Levando em consideração o contexto em que vivia, Paulo por certo enfrentava pelo menos três dificuldades, que são: falta de dinheiro, falta de saúde e falta de tempo. No entanto, a exemplo de Cristo, o apóstolo deixa claro, a forma que o cristão deve reagir diante de situações semelhantes, pois ele afirma: “E bem sei que...”(v.29), ou seja, ele demonstra que embora à sua volta, praticamente lhe faltava tudo, porém,] a certeza e a convicção não lhe faltava, para crer que o Senhor o faria triunfar.

      Paulo deixa o exemplo ficar claro, pois ele aponta para a qualidade de sua convicção interna, que segundo o texto, não poderia ser abalada por questões externas, ou seja, sua fé e convicção interna, não dependiam de situações à sua volta. Mesmo porque na mesma epístola, no capítulo 14 e versículo 17 ele deixa claro que o Reino de Deus depende única e exclusivamente do Espírito Santo de Deus e não de questões e necessidades básicas da vida, que são representados no texto por “comida e bebida”.

      Seguindo o texto, Paulo afirma: “... indo ter convosco...”, após ele afirmar que circunstâncias dessa vida não poderiam comprometer sua convicção interna, ele segue expressando acerca de sua certeza de que ele iria cumprir o desejo de seu coração em visitar aqueles irmãos. Além disso, o apóstolo está afirmando também acerca de seu ministério, pois para estar entre aqueles irmãos, ele deveria viajar, e as viagens caracterizam de forma direta o ministério apostólico, que se fundamenta em implantar igrejas em lugares ainda não alcançados pelo evangelho, independentemente da distância e das condições, portanto, quando Paulo diz que iria “ter com eles”, ele estava dizendo que continuaria a cumprir seu ministério.

      Após nos servir de exemplo no que diz respeito ao nosso comportamento ministerial diante das dificuldades, Paulo ainda nos dá outra lição importante, quando ele diz: “...chegarei...”, o que nos traz lições importantes, pois com todas as dificuldades que estava enfrentando, o apóstolo não perdeu o alvo e nem mesmo a certeza de que o atingiria. Fica então aqui uma lição muito importante, pois há muitos que somente vão, mas nunca chegam, são pessoas que ainda não desenvolveram uma convicção interna de que, embora muitas sejam as oposições, Deus está presente e é poderoso para fazê-lo chegar ao fim e atingir seu alvo.

      É importante nesse momento você meu(a) irmão(a) declarar onde quer chegar e ainda a exemplo de Paulo dizer que, independentemente das circunstâncias chegará ao seu objetivo final.

      Finalmente Paulo apresenta como ele estaria quando chegasse a Roma: “... na plenitude da bênção de Cristo”. O apóstolo não somente tinha a convicção viva em seu coração, mas também a certeza de que seu ministério não iria parar, e que alcançaria seu objetivo, mas também a certeza de que quando estivesse com aqueles irmãos com quem muito desejava estar, estaria com a plenitude da bênção de Cristo.

      Plenitude significa completar a tarefa de encher, com isso se entende que Paulo estava comunicando àqueles irmãos que embora estivesse enfrentando muitas dificuldades e oposições de várias naturezas, quando chegasse a Roma, eles poderiam estar certo que eles seriam abençoados com sua presença do entre eles.

       Diante dessa verdade citada acima fica claro que Paulo utilizou das adversidades para que a medida da bênção de Cristo aumentasse em sua vida, para que desta forma pudesse servir de bênção para seu próximo. E é importante destacar que isso pode durar um tempo considerável, pois nos versículos 23 e 24, Paulo afirma que naquele momento ele não tinha nenhum impedimento para estar entre aqueles irmãos, mas segundo dados históricos ainda levaram três anos para Paulo conseguir ir a Roma, ou seja, “o agora” durou cerca de três anos, o que não foi capaz de destruir a fé e nem impedir o crescimento da medida da bênção na vida deste apóstolo.

       Fica então a lição de que aqueles que desejam viver a plenitude dessa bênção, devem desenvolver uma fé interna inabalável, exercer seu ministério sem retroceder, usando as adversidades, como incentivo para avançar, como fez Jesus, também estabelecer aonde quer chegar e avançar nesse propósito, e finalmente usar as adversidades como forma de aumentar a medida da plenitude da bênção de Cristo em suas vidas.

       Deve-se pedir sabedoria a Deus, para que, diante das adversidades, ao invés de se fracassar na fé, abandonar ministério, desistir dos objetivos e perder a bênção de Cristo, se possa apropriar das dificuldades e as usar para avançar no propósito de glorificar a Deus!!!

       Que Deus nos envolva na plenitude da bênção existente em Seu Filho, Jesus Cristo!

       Com Amor aos Perdidos

                                                                                                              Pr. Elias Torralbo
0 comentários

Estabelecendo Prioridades

     “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas”. (Mt 6.33)


     Jesus falando aos discípulos nessa passagem, Ele os orientou sobre a importância de estabelecerem prioridades, e não somente isso, mas também qual deveria ser a prioridade deles como Seus discípulos.

     A prioridade apontada por Jesus foi essa: “... reino de Deus, e a sua justiça...”

     Sendo assim, nós que somos discípulos de Jesus devemos seguir Sua orientação quanto ao estabelecimento de prioridades, e também em quais devem ser essas prioridades – Reino de Deus e sua justiça.

     Para que cumpramos essas ordenanças de Jesus, o primeiro passo é conhecermos o significado de Reino de Deus e sua justiça, para que além de buscá-los possamos executá-los também.

     O Reino de Deus é o fim do estado de rebelião, originado no jardim do Éden na Queda, onde o homem se desligou e se tornou independente de Deus, colhendo assim suas consequências. Com isso aqueles que são introduzidos no Reino de Deus, passam do estado de rebelião para o de adoração, que aqui tem um significado abrangente de entrega e dependência de Deus.

     A justiça de Deus é o resultado do Seu Reino, pois onde o ele é estabelecido a justiça de Deus também o é. Jesus enquanto andou nessa terra, procurou em todos os sentidos estabelecer um ambiente onde pudesse imperar a justiça de Deus em todos os sentidos possíveis, portanto nós como igreja devemos buscar também essa dependência e lutarmos a fim de contribuirmos para que a justiça de Deus seja implantada em todos os lugares.

     Temos então a responsabilidade de propagar o Reino de Deus e Sua justiça, e o meio para isso é o de cumprirmos o ide de Jesus, quanto ao trabalho da evangelização.

     Esse tem sido nosso objetivo, o de fazer da evangelização nossa prioridade, pois sem dúvida esse deve ser nosso objetivo maior.

     Nesses dois anos de trabalho estivemos à frente desse departamento na busca por evangelizarmos todas as pessoas através de projetos que ao longo desse tempo foram descendo aos nossas corações e que parte disso está registrado nesse informativo.

     Fica aqui minha palavra de gratidão a todos os dirigentes de congregações, líderes de evangelismo e também aos meus companheiros que juntos trabalhamos na busca em apresentarmos o evangelho de Cristo à nossa cidade.

     Além disso quero destacar minha palavra de incentivo para que continuemos na busca de estabelecermos a obra da evangelização como nossa prioridade maior: Ganharmos vidas para o Reino de Deus!!!

     Deus em Cristo nos abençoe de forma abundante!!!

     Com Amor aos Perdidos


                                                                                           Pr. Elias Torralbo